Estética Old Money – Fashionismo 

Uma das minhas funções favoritas aqui no Fashionismo é observar, logo, compartilhar, tendências! Das mais óbvias e urgentes às mais nichadas e alternativas. E tem uma que vem chamando minha atenção: a “old money aesthetic”, ou seja, a estética do dinheiro velho, ou seja mais ainda, aquele look herdeira, mas herdeira mesmo! Bom, de onde veio um ideal de estilo que de primeira a gente acha um pouco óbvio e/ou problemático, mas vai um pouco além.

Essa estética veio dele, o soberano viralizador de tendências, o TikTok! Por lá são mais de 500 milhões de hashtags com o termo, com isso, o estilo se dissipou e popularizou, o que é EXTREMAMENTE irônico já que não tem nada de popular e democrático no tal “old money” rsrs (nervosos e problematizadores).

Mas afinal, do que se trata esse ideal? Bom, tecnicamente o “old money” tem que ser old mesmo, nada de novos ricos, classe média alta, influenciadores e celebridades, a estética se aproxima de um estilo mais pra socialite low profile dos anos 90 ou mais vintage ainda.

Acha que o old money é de jovens aristocratas ou monarquistas? Não, é dinheiro de quem fez fortuna de séculos atrás, mais precisamente na era da Revolução Industrial. Traçando um paralelo que nos é bem familiar: é uma coisa bem Gossip Girl! Aquelas famílias à la Archibald, van der Woodsen, Waldorf, aquele povo que fundou Nova York, que tem ala em museu com nome próprio, galera que tem uma dinastia consagrada e exclusivérrima. Essa gente existe e está sendo reproduzia por tiktokers kkk.

 

OLD MONEY FAMOSAS ESTILO

Dito isso, como é o estilo característico? Bom, é low profile, mas milimetricamente low profile, tipo a galera “old rich” se identifica no olhar (e no look). Alfaiataria, roupas bem cortadas, clássicos. Do colar de pérolas a conjuntinho de tweed. Do lenço de seda a camisa social. Elementos clássicos, com aspecto vintage, mais precisamente atemporal. É um estilo prep, mas mais carregado pro maduro. Na prática (quedize, na dramaturgia) é o look que Blair Waldorf usaria hoje lá pelos seus 30 e poucos anos.

Outro ponto importante, nada de logomania, marcas aparentes ou óbvias. As labels clássicas, discretas, mas de extrema qualidade dão o tom. Nomes como Brunello Cucinelli, Zegna, Armani, Ferragamo, The Row, Celine, ou até mesmo Ralph Lauren e seu lado mais polo. Isso sem contar as marcas exclusivas-e-secretas que nem sabemos o nome e produzem looks sob medida (não necessariamente alta costura, pq americano adora exaltar suas marcas rs).

Agora sabe quem chamou minha atenção e que mudou o estilo drasticamente, ainda que sutilmente rs? Kendall Jenner! Pode reparar, de 1 ano pra cá (ali no meio da pandemia) a outrora trendsetter fashionista aos poucos começou a surgir com looks mais discretos, com quê vintage, toque masculino, menos sexy e mais elegantes aka totalmente old money. Não sei qual é a mensagem ou propósito, mas vindo quem vem (a Kendall sempre ditou moda), é perceptivo e significativo.

OLD MONEY KENDALL JENNER

E, como tudo na moda é cíclico e cheio de opostos, afinal, estamos vivendo fortemente a era Y2K e também da logomania, looks modernosos, cheios de informação de moda e praticamente uma disputa digital de quem se veste mais e mais fashionista. Daí vem o estilo “old money” e mostra mais discrição, ~elegância e looks mais clássicos e menos fashion victim. Lógico que tem espaço pra tudo, não precisa ter old ou new money, às vezes nem money tá tendo pras brusinhas kry, mas apenas identificar e se ajustar a sua tribo.

Minha opinião pessoal sobre o estilo é cheia de dualidades: o mundo tá do jeito que tá, guerra, desigualdade social, pandemia (que gerou mais desigualdade social) e chega uma tendência que de uma certa forma busca transmitir e escancarar tal desequilíbrio, deixa tudo mais complexo e sombrio. Mas, por outro lado, essa é uma estética que, no frigir dos ovos, se aproxima mais de uma sobriedade e discrição que muitas vezes tal geração precisa pra se descobrir mais e ir menos no automático (que o próprio Tiktok induz).

 

OLD MONEY ESTILO

É obviamente sobre aspiração, mas também sobre escapismo –  de sonhar e fugir desse mundo real difícil, mas também subversão – “não sou rico, mas estou me ~apropriando dessa estética pq eu tô afim”. Enfim, mil interpretações e isso é o interessante da moda.

 

We wish to say thanks to the writer of this short article for this incredible content

Estética Old Money – Fashionismo 

Cool N Spicy